Boa Velhice

A nossa visão sobre o envelhecimento é repleta de preconceitos tão enraizados que nem nos damos conta do quão cruel estamos sendo com a gente mesmo, afinal (se não morrermos antes) ficaremos todos velhos. Esta foi a primeira de muitas provocações do curso de extensão intitulado Fragilidades na Velhice: Gerontologia Social e Atendimento, da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP), coordenado pela professora Beltrina Côrte. Eu, como publicitária, fiquei curiosa em explorar este assunto na área do marketing, entender se quem produz as campanhas publicitárias que envolvem de alguma forma o público velho tem clareza de estar representando este público de forma justa e real.

Entendi que uma boa forma seria uma pesquisa com profissionais de marketing que tiveram desafios voltados para a velhice. Essa experiência foi inspiradora, as conversas caminharam não só para a reflexão de que sim existe um tabu sobre o envelhecimento em todas as suas nuances, medo da saúde debilitar, do mercado de trabalho ficar restrito, da beleza não ser mais a mesma, mas acima de tudo que existe uma potência de vida enorme a ser explorada e que ainda não tem forma, é um convite para uma nova geração reinventar a velhice.

“Nós envelhecemos como vivemos”, outro forte chacoalhão durante o curso que me deu coragem para investigar os meus próprios medos da velhice, conversei horas com os meus avós, ambos com mais de 85 anos, para descobrir duas coisas importantes: a vida precisa de sentido, um propósito, e ele muda ao longo da vida, mas ele precisa estar lá! E que o meu avô quer ser cremado e suas cinzas jogadas no rio (ele nunca tinha falado sobre morte, muito menos de como queria seu funeral) mas ele finalizou:

nem pense em abrir a urna no caminho, vai que passa um vento e cai tudo na estrada! Não quero ficar na estrada não! – e gargalhou. 

Essa jornada para compreender envelhecimento me permitiu olhar todo o meu futuro de outra forma, o filme que produzi como trabalho final, abaixo, é um pedacinho desta transformação do envelhecer melhor, tema que eu estou perdidamente apaixonada, absolutamente grata por poder vislumbrar e se possível contribuir para uma velhice mais divertida para todos!

Desejo a todos uma boa velhice!

Publicado por Patricia Yoshioka

Sou Eneacoach e Coach psicodinâmico, além de publicitária pós graduada pela FGV, dra. farmacêutica e bioquímica pela USP, taróloga, estudiosa sobre jornadas de transformação, eneagrama e recentemente apaixonada por envelhecimento.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.